Recentemente dona Valdelice, de 88 anos, passou por uma cirurgia no fêmur após sofrer uma queda. Com isso, passou dias no hospital internada, o que a deixou abatida psicológica e emocionalmente. Sua neta Tayná Gomes, de 25 anos, relata que o medo tornou-se um sentimento muito presente para a avó que está passando pelo processo de reabilitação.

Para Tayná, envelhecer na nossa sociedade não é tão fácil, já que as pessoas geralmente veem os idosos como pessoas que estão no fim da vida e que nem sonham mais. “Muitas vezes eles não desejam mais fazer as coisas porque acham que não podem, que não devem. Esse é o momento que devemos ajudar a ressignificar”.

Foi com esse pensamento que Tayná teve uma ideia. Integrante da Geração Zelo, projeto da ASEc+, ela conta que ao fazer parte do grupo os jovens recebem alguns materiais, entre eles o “Guia do Autocuidado”, que mostra os diferentes tipos de autocuidado e a sua  importância. O material é dinâmico e contém atividades práticas de reflexão e desenhos para colorir, foi aí que Tayná viu uma oportunidade: apresentar o guia para sua avó, que já tinha a  prática de colorir, e conversar sobre saúde mental e práticas de bem estar. 

Ajudando e tendo esse cuidado com a sua avó, o guia não ajudou só a dona Valdelice, mas proporcionou uma reflexão poderosa para a Tayná. “Conseguir olhar para si mesma e pensar, o que é que tem de potente em mim, o que eu consigo fazer, mesmo com as minhas limitações? Como que a gente faz esse autocuidado em casa?”, conta.

O relato da Tayná revela a importância da solidariedade dos mais jovens com os mais velhos proporcionando acolhimento emocional e escuta, além do suporte nas atividades físicas. O autocuidado é uma prática importante e eficaz para todas as gerações. O “Guia do Autocuidado” é um material da ASEc+ que integra o projeto “Promover para Prevenir”, uma parceria com o UNICEF. Ele é gratuito e pode ser baixado no link: https://uni.cf/3QS9wn3 .