Por Miriam Lamana

Qual a chance de alguém querer ajudar quando digo: “você não me ajuda com nada!”

Se conversar é o caminho para construir relacionamentos, precisamos “baixar a guarda” e nos permitir sentir e acolher, com curiosidade e generosidade, as emoções despertadas pelas situações, para que a nossa fala possa ser capaz de “criar pontes” ao invés de “abismos”.

É importante abrir espaço para “Saber Lidar” com os nossos sentimentos, pois só assim, podemos trilhar o caminho de, conscientemente, escolher “soltar as pedras” que naturalmente surgem em nossas mãos. Ao estar exposto a situações que despertam sentimento desagradáveis, você pode exercitar um novo “jeito de se relacionar consigo mesmo”.

Agir no paradigma do certo ou errado, nos leva a buscar defender o “meu certo” e, para legitimar o “meu certo”, preciso destruir o seu. Não é possível que os dois estejam certos, nesse paradigma.

Mas queremos construir outro paradigma, eu e você podemos estar certos, se não há um certo, consigo sair do movimento de, quando dói me calo ou ataco, para me conectar com o que estou sentindo e precisando, e o que o outro está sentindo e precisando também.

Treinar a pausa, nos ajuda a romper a necessidade de ter que responder a tudo imediata e automaticamente. Nos permite observar as situações sob uma “luz diferente”, impactando na forma como sentimos e agimos.

Pausar e desacelerar traz mais qualidade para nossas relações, pois nos permite acessar e oferecer o que temos de melhor.

Cuidar de nós é fundamental para construir e criar espaço de conversa e de escuta.

São as pequenas ações diárias que constroem o futuro das nossas relações. Cada ação que fazemos hoje repercute no nosso amanhã.

Pense nisso e faça do tempo o seu aliado, cultive a coragem, a curiosidade e a generosidade, consigo e com o outro.

“Se percebemos que a vida realmente tem um sentido, percebemos também que somos úteis uns aos outros. Ser um ser humano, é trabalhar por algo além de si mesmo.”

Viktor Frankl

Miriam Lamana, psicóloga com mais de 28 anos de vivência em organizações, com MBA em Gestão e Finanças e especializações em Coaching e desenvolvimento humano.
Na ASEC desde 2012, como monitora na capacitação de professores no desenvolvimento de competências socioemocionais e na coordenação das atividades em São Paulo.